domingo, 16 de setembro de 2012

Abstinência




  
    Agonia quando falta. Ansiedade nas esperas. Desespero de querer estar perto. Sem ação quando junto. Vontade estrangulada de simplesmente te acariciar o rosto. Desejo mudo, por dentro eu grito esse querer até ficar sem voz. Desarma-me em um simples olhar a mais no fundo dos olhos. Abstinência de você. Vários planos adaptados ou até desfeitos apenas pra poder estar junto. Desculpas sem fundamento algum pra poder ter mais um pouco de você. Não fique muito longe, dói. Às vezes incomoda muito te querer tanto a ponto de pensar em mudar muitas coisas em mim e na minha vida só para te ter nela.
   Cuidar com cada movimento, olhar ou palavra quando na verdade queria apenas cuidar da sua felicidade. E acredite, ela estaria em boas mãos. Mágoa ou tristeza alguma ousaria te visitar e, se em último caso vier, daria com a cara na porta e ainda ouviria nossas gargalhadas ecoando pela sala.
   Com você do lado não tenho medo de nada. E adoraria ser também a sua coragem, sua força, sua alegria,... Sua. Se teu beijo for tão irresistível quanto sua companhia, eu não precisarei de mais nada.

Escrito nos primeiros dias de junho de 2012.